20 de janeiro de 2011

Amor Salada

Procura-se um amor salada. Daquele bem levinhos que vai bem a qualquer hora. Que pode por sal e pimenta a gosto. Molho marinado, temperado, ÀS VEZES, apimentado.  Daqueles que quer ser seu amigo, ao invés de segurança. Aquele que rir quando você se suja de ketchup. E prefere pedir uma pizza e assistir ao mesmo filme idiota da semana passada.

O que te acompanha nas festas mais chatas e te leva aos programas de índio mais divertidos. Que não liga pros seus chiliques, não liga de madrugada, não liga quando você sai SÓ com as amigas. Aliás, que liga para marcar um encontro no sábado e não fica com raivinha quando você vai sair com sua mãe.

Procura-se um amor salada. Leve como a brisa. Que te acompanha, e não te segue. Que come seu chocolate e sai para caminhar na praia. Que faz cocegas, mesmo quando você exige que ele pare. Que te faz rir na hora errada. Que não te faz chorar e não te preocupa. Povoa seus pensamentos de momentos, sorriso e coisas bobas.

Procura-se um amor que não pese no estomago, nem na cabeça. Que te ame e não idolatre. Que te faça querer sua presença. No fim das contas, procura-se um companheiro de viagens e não um namorado.