10 de abril de 2011

Pessoas. Vidas.

Parece ficção, algo tão irreal que não passa de imaginação humana. Uma imaginação bizarra e ainda assim imaginação. Mas, não é. Não foi.

Perguntaram-me certa vez o que eu mudaria no mundo e sem pensar duas vezes respondi: as pessoas. Não existe nada que possa ser mudado sem antes mudar as pessoas. O Homo Sapiens Sapiens - não sei por que recebe a alcunha de sábio. – vangloria-se da racionalidade e capacidade de criar e recriar quase tudo que se imagina. Mas ainda sabe domar seus instintos e respeitar seus iguais.

Tentamos explicar o inexplicável e calcular o que teria acontecido se o fato A ou B fosse diferente. Nunca saberíamos. O velho ditado já diz: Não adianta chorar o leite derramado. O Brasil sem duvida é uma potencia econômica e cultural e muitas mazelas que víamos somente nos noticiários internacionais já são vistas por terras tupiniquins.

Crescemos a olhos vistos, mas não vimos nossos jovens estudando melhor, saímos com medo nas ruas e tragédias sem precedentes e facilmente previstas continuam a acontecer. Enquanto o mundo cai na cabeça de inocentes o caos nos hospitais, penitenciárias e no congresso continuam.

Não tenho autoridade nenhuma para falar sobre segurança, educação e desenvolvimento sustentável, mas como brasileiro só tranca a porta depois que é roubado. Espero, e rezo, para que Realengo não fique só na triste lembrança, mas seja uma prova que ainda temos muito a fazer além de olhar a sociedade pela janela.

Imagem: g1.globo.com