13 de novembro de 2011

Jarro de Flores

De onde estava, olhava a plantinha empoleirada sobre a estante. Era igual aquela planta. Confinada em paredes invisíveis e paradigmas idiotas. Odiava estar ali. 

Queria ser floresta. Queria ser parte de algo maior. Mais do que vegetar por vegetar, sorrir por sorrir, comer por comer e viver porque não é corajoso o bastante. 

Queria muitas, muitas coisas e não sabia o que fazer com tudo aquilo. Era só desejo, desejo de algo mais. Mal cabia dentro de si e de seus poucos anos. Não fazia ideia de onde queria chegar, sabia pouco mais que seus raros anos permitiam. 

Pior de tudo era saber que ninguém lhe olhava realmente. Lhe queria realmente, lhe remetia confiança ou sequer esperança. Olhou as imagens passando na televisão, tirou do mute, remexeu-se no sofá. Levantou e tomou o terceiro comprimido para cólica. Odiava TPM.

Cansei de pedir desculpas pela ausência. Sinto muito.