2 de setembro de 2012

Book Crossing


Ontem estive no Parque da Sementeira, aqui em Aracaju, com uma missão. - Missão é exagero, mas sou dada a hipérboles mesmo. - Fui colocar o papo em dias com a Drika Guimarães, comer brigadeiro, respirar ar fresco, fotografar e abandonar um livro. É a-ban-do-nar. 



Na verdade, fui "libertar" o livro O Casebre do Fantasma, de Luci Guimaraes Waternabe. Ganhei esse livro faz um tempão - anos mesmo -  nem lembro quem me deu. Na verdade, esse é um daqueles livros que a gente ler e começa a gostar de ler. A brincadeira de libertar um livro começou nos EUA a alguns anos e hoje é pratica comum no mundo inteiro. 



O site bookcrossing.com reúne leitores adeptos a esse projeto e organiza a bagunça de forma que possamos rastrear todos os lugares que o livro abandonado por você passou. No site você pode ver todos os livros que estão abandonados em sua cidade, quais os lugares onde as pessoas mais deixam livros, adicionar amigos, mas ainda assim a principal ideia é libertar livros e formar novos leitores. Explicando melhor:


Cadastre um livro no site e gere um código de rastreio (BCID). Escreva um recadinho no livro contando sobre o projeto e dizendo qual o BCID. Depois você liberta o livro em algum lugar público para que outra pessoa pegue. Então, torça para ela avisar no site que encontrou o livro, ler e passar adiante. 

Meu recado para o próximo leitor:    
"Há a possibilidade de você nunca perceber o poder que um livro exerce na humanidade, mas acredite que esse livro foi deixado nesse banco com o próposito de mudar o mundo.
Eu o abandonei pela primeira vez no dia 1° de Setembro de 2012 em um banco do Parque da Sementeira, em Aracaju - Sergipe - Brasil. E acredite que eu estava lá, esperando que alguém leve-o. 
Leia e, gostando ou não, passe adiante. Um dia, com certeza ele vai chegar nas mãos de alguém que estara precisando exatamente disso.
Esse livro está sendo rastreado por www.bookcrossing.com   
Quando você o encontrar acesse o site digite o BCID e deixe-me saber quem é e por onde ele anda. Se quiser, liberte-o novamente para que mais alguém possa se surpreender!
Será que O Casebre do Fantasma consegue sair de Sergipe?"


Nada garante que a pessoa que achar continue com a corrente, mas eu tive uma sensação deliciosa de fazer algo de bom e completamente inspirador. 

Além do mais, foi muito engraçado vê as pessoas olhando esquisito para o banco que o livro estava como se ele fosse explodir a qualquer minuto. E sim, ficamos de olho até o levarem: Uma moça de bicicleta pegou, leu o recado, comentou com os amigos e deixou o livro lá; Depois uma skatista fez o mesmo; e Finalmente (duas horas depois) um trio de amigos sentaram no banco, folhearam o livro e o levaram. 

No fim, minha lição sobre a Aracaju: Moro em um lugar onde promover cultura é praticamente impossível. As pessoas simplesmente não têm o hábito de ler, ver teatro, visitar museus... e isso se reflete no simples atos de tentar passar um livro adiante. Por que esperar duas horas, para alguém se interessar por leitura, não é normal.

Ninguém postou o livro no site, mas ainda tenho esperança. 
Quando isso acontecer aviso na Fanpage/Twitter do blog. 


@milalices
Descobri o Bookcrossing no Todo mel da flor.