1 de dezembro de 2012

Precoce

"A idade não é a que a gente tem, mas a que a gente sente." Gabriel García Márquez, em Memória de minhas putas tristes. Página 68.

Eu nunca gostei dessa estória de idade. Não por querer ser mais velha, ou mais nova... Nem lembro da última vez que fiz questão de ser lembrada no dia do aniversário. Na verdade, para mim, idade nunca passou de um número.

Ano de nascimento não determinada a vida de ninguém. Nada além dos seus atos vão dizer se você é responsável, irresponsável, maduro ou imaturo. Cada um tem seu tempo e sua personalidade, um dia ou um ano não vai mudar isso. 

Entrei na faculdade com 17 anos e comecei a trabalhar no primeiro semestre do mesmo ano. Da mesma forma, conheço gente que aprendeu a ler aos 30, casou aos 16 ou comprou o primeiro carro aos 40. Sou mais responsável que muita gente e tem gente da minha idade que está podre de dinheiro. E daí? 

Mulheres amadurecem mais cedo, bem verdade. Mas, talvez isso seja só uma desculpa dos homens para sua própria irresponsabilidade... é uma fase. O mal é da idade... ah, por favor!

A única coisa que digo que vem com o tempo é segurança. Não só segurança financeira, como independência emocional e total controle de suas decisões. Mas isso não vai acontecer aos 18 ou 40 anos. Isso vem com o tempo, com as situações e com a vida de cada um.

A questão aqui é bem mais simples que maior idade penal, resposta sobre seus próprios atos ou responsabilidade social: Apenas digo que completar 18 anos não garante que você se torne um adulto responsável, assim como completar 40 anos não lhe torna um senhor de sucesso e financeiramente independente.