5 de janeiro de 2013

eu não quero ir pro céu


Nunca esperei que participar de qualquer projeto social fosse fácil, mas de todas as barreiras - que não são poucas - as pessoas são as mais difíceis.

Eu não espero que todo mundo seja socialmente engajado, por que se fosse assim, não teríamos a necessidade de ajudar uns aos outros. A utopia de viver em comunhão é socialista e eu não sou nem de longe.

O maior obstáculo são as pessoas, não por elas não apoiarem. Pelo contrário, temos encontrado tanta gente disposta a doar que chega a ser esquisito eu estar reclamando. A questão são pessoas que não fazem nada por ninguém além de si mesma e olham para nós como se fossemos loucos.

Não quero que o mundo levante do sofá e venha fazer alguma coisa. Só não suporto essa gente debochada que olha para mim como se eu fosse louca... desocupada ou preguiçosa. Gente que me pergunta com todo o desdém do mundo por que eu faço isso ao invés de aquilo.

Finalmente achei um projeto que coube na minha vida, na minha ideia de ajudar as pessoas e depois da catástrofe que relatei ano passado com Organizações Não Governamentais, o Pintando o Se7e é meu xodó e dono de todas as minhas horas ociosas e ideias mirabolantes.

Se não aceita ou compreende, simplesmente não pergunte. Não pergunte por que eu quero ser voluntária na África; por que eu perco - ou ganho, dependendo do ponto de vista - meu tempo com as coisas que me disponho a fazer. Não é algo que se explica, é algo que se sente. Com todo o pieguismo que a afirmação tem direito.

E de todas as suposições ridículas que imagino: Não sou traumatizada, o único trauma de infância foi não ter me tornado Mestre Pokemon (ainda dá tempo?); Não quero reparar meus erros do passado (?); Não tenho pretensão de salvar o mundo, muito menos minha alma; Não faço por igreja, aliás sou Agnóstica ou Deísta, talvez os pontos em comum entre as duas. 

As experiências de vida te levam a certos caminhos e eu faço por opção. Talvez seja puro egoísmo, talvez seja um laboratório maravilhoso para escrever Coragem, talvez seja vontade de conhecer pessoas incomuns... Talvez, só talvez, eu esteja cansada das coisas fáceis.




“Temos muito ainda por fazer
Não olhe pra trás
Apenas começamos.
O mundo começa agora
Apenas começamos.”
(Metal contra as Nuvens – Legião Urbana)
@milalices




Novelinha:
- Capitulo 01: Pintando o Se7e
- Capítulo 02: eu não quero ir pro céu
- Capítulo 03: Recompensa
- Capítulo 04: Primeiras oficinas