5 de junho de 2013

Logo logo os maluco da cidade souberam da novidade

Esperamos por séculos para ver esse filme. O tititi começou faz muito tempo e finalmente Faroeste Caboclo chegou aos cinemas. Apaixonadas pelo Legião Urbana, Eu e Regina já fomos conferir e temos muito o que falar sobre ele.


Observação. Texto escrito a quatro mãos. Lorena e Regina dividiram o texto com a seguinte legenda: 
Opinião da Regina - Opinião da Lorena - Opinião do Mil Alices


A grande expectativa do mundo - eu acho - era um filme bem fiel a letra da música, como aquele clipe da VIVO baseado na música Eduardo e Mônica foi em 2011. Mas no cinema o gosto de Faroeste Caboclo - uma das maiores obras-primas do rock Nacional - não foi tão bom.

Talvez por tanta expectativa acabamos saindo com um sabor de decepção do cinema. Um dos maiores erros do estreante diretor René Sampaio foi por ter optando não seguir com fidelidade a música. Os minutos iniciais do filme que retratam a infância de João de Santo Cristo decorrem de maneira muito rápida, pulando boa parte da história o que dá a impressão que o filme vai ser mais rápido que a música. 

E é mais ou menos isso. O filme tem o começo bem diferente e vai se aproximando da música no final, mas não chega a ser fidedigno. Aliás, com Paulo Lins como consultor de Roteiro, imaginei que esse ponto seria impecável. Vários eventos da música são invertidos, alterados e trocados, por isso se pretendem assistir, vá de coração aberto.

Isso não torna o filme, em si, ruim. O elenco é sensacional! Fabrício Boliveira brilha como João, Ísis Valverde empresta seu carisma insuperável a Maria Lucia e Jeremias aparece com trejeitos únicos. Além disso temos ótimos atores fazendo papéis secundários como Antonio Calloni que vive um policial corrupto - comparsa de Jeremias -, Marcos Paulo em seu último papel no cinema, como pai de Maria Lucia, e Flavio Bauraqui em uma pequena  e excelente participação como o pai de João.

A grande questão é que imaginávamos que com o material sensacional que se tinha para construir o filme, elenco ótimo, a música, o contexto politico e todo aspecto social, tivéssemos um daqueles filmes que marcam os espectadores, mas saímos do cinema com a sensação que o filme foi... Vazio. Questões políticas, sociais e raciais que constituem a verdadeira mensagem da canção, apesar de serem retratadas, perdem espaço diante de um viés romântico superestimado.

Faroeste Cabloco não é de todo ruim. É um roteiro bem feitinho, extremamento comercial que embarca no sucesso de uma música espetacular e o sucesso de Legião Urbana que anda em voga depois de Somos Tão Jovens.  

O que você acharam da versão cinematográfica?