9 de dezembro de 2013

Voltei a Cantar

"Voltei a cantar
porque senti saudade
do tempo em que eu andava pela cidade."
(Chico Buarque)

Voltei a escrever, não por que senti saudade, mas por que preciso. Estou a me obrigar a escrever, me obrigar a lembrar de como era sentar e vomitar palavras.

Voltei por que me sinto presa, presa a uma pressa de ser alguém. Presa e necessito colocar para fora tudo que está aqui. De alguma forma, preciso aliviar o peito, nem que a vomitar palavras.

Não sei escrever como antes e não estou pescando elogios. Alguma coisa se soltou no caminho e não vejo, nem de longe, as frases que escrevi um dia.

Vejo com uma inveja branca e coração apertado textos que eu queria ter escrito, situações que queria ter transcrito ou frases soltas que eu necessitava ter pensando, mas como diz-se: "quais são as palavras que nunca são ditas?".

Voltei, mas voltei aos poucos, passo em passo, por que a saudade apertou, mas o tempo ainda é raro, a vida ainda exige e eu continuo sorrindo as coisas erradas.

Voltei por que preciso lembrar de quem eu fui. Ou de quem eu queria ser.