6 de outubro de 2014

"já coloquei os homem lá em cima"

Eu queria entender de Política, ter um embasamento histórico impecável e argumentos sólidos, mas essa não sou eu. Juro que até tentei estudar Política na Universidade, mas se meu professor lecionou 3 aulas inteiras, estou sendo generosa.


Ontem teve eleições gerais e se você não sabe disso, eu não sei em que planeta você mora. Eu fui mesária e cumpri meu dever com a democracia e com meu País, obviamente reclamei cada segundo que tive a oportunidade, mas não seria eu se não reclamasse.

Para começo de conversa eu sou absolutamente contra a obrigatoriedade do voto. Para mim, deveria votar quem tivesse vontade e quem acreditasse nos políticos e no futuro que eles representam. Eu acredito que obrigar as pessoas a votar só incentiva o eleitor a "votar em qualquer um" porque de qualquer jeito ele terá que comparecer a sessão.

Quando, na verdade, o eleitor deveria se sentir (e não ser) obrigado a participar das decisões do seu País. Esse foi o único ano que tive alguma participação consistente nas eleições brasileira e mesmo forçada a comparecer, acabei tendo lições e fortalecendo algumas ideias, independente de partidos ou candidatos. 

Ouvi de tudo ontem: senhorinhas que fazem questão de votar porque querem ser cidadãs, mesmo que na minha cabeça cidadania nem comece, nem termine na eleição; analfabetos com extrema dificuldade em se entender com a urna; boca de urna; propaganda eleitoral proibida; tentativa de fraude... etc, etc, etc... mas o que mais me impressionou foi a quantidade de pessoas que saíram da sala repetindo "já coloquei os homem lá em cima".

Como se votar, por votar, já constituísse todo o seu dever com o país.

Eu vejo como grande problema no sistema eleitoral, e na cultura brasileira, essa ideia de que eleição é passar a responsabilidade para alguém. Dar a alguém o título de autoridade e tê-la em alta consideração porque ela possui o cargo x, quando é a "autoridade" que deve servir a população.

As pessoas devem se conscientizar que política, democracia e cidadania vão além de alguns números e a tecla verde. Que corrupção não é SÓ desviar dinheiro público, que cidadania começa em não depredar patrimônio público e democracia é PARTICIPAR da vida pública de sua comunidade. 

Eu tenho certeza que a democracia, a cidadania e a política brasileira só será limpa e justa quando as pessoas souberem a qual esfera do poder cabe cada decisão, aprenderem a ler sobre seus candidatos e a não acreditar na mídia. Quando os cidadãos exigirem que seu candidato cumpra com suas promessas e, principalmente, aceitarem que política não é carreira.

O Brasil tem um loooongo caminho pela frente, tem um buraco na educação das nossas crianças e terá segundo turno dia 26. Pelo amor de Deus, pensem fora da caixa... Democracia não é voto.